quarta-feira, 19 de novembro de 2014

"Peripécias do Coração", de Julia Quinn


Peripécias do Coração é o segundo volume da série Bridgerton, de Julia Quinn. Mais uma vez, o único reparo a fazer é relativo à tradução do título, que em nada se assemelha ao original, que é muito mais adequado: The Viscount Who Loved Me

Iniciei a leitura sabendo mais ou menos o que esperar - uma história tão boa ou melhor do que a de Daphne e Simon, as personagens centrais de Crónica de Paixões e Caprichos (Série Bridgerton - Volume I).
As minhas expectativas não foram defraudadas e começo a ter a sensação de que todas as opiniões sobre esta série (que pela lógica deverá ser composta por oito volumes, um por cada irmão Bridgerton) serão muito semelhantes e favoráveis.

Entrar no universo dos Bridgerton começa a ser como regressar a um lugar familiar e reconfortante. Nesta história cruzam-se os destinos do libertino visconde Anthony Bridgerton (o irmão mais velho) e da destemida e inconvencional Kate Sheffield.
Mulherengo e adepto da boa vida, Anthony decidiu que é finalmente altura de assentar e não há melhor sítio para encontrar uma esposa adequada do que os bailes onde as jovens solteiras são apresentadas à sociedade. Por seu lado, as irmãs Sheffield precisam de fazer bons casamentos, que assegurem financeiramente os seus futuros. Das duas,  é Edwina (a mais nova e mais requisitada) que representa o ideal de beleza e perfeição femininas, o que faz dela a jovem mais requisitada da temporada.

Anthony não é exceção e também ele considera Edwina a "joia" da temporada. Esta Sheffield é a candidata perfeita a futura esposa: uma mulher doce, educada e recatada. Além disso, é lindíssima e só um tolo não a cobiçaria. No entanto, Edwina tem outra coisa a seu favor, da qual ninguém (muito menos as Sheffield) desconfia: Anthony sabe que nunca se apaixonará por esta mulher, que não lhe desperta qualquer sentimento além do respeito e da simpatia.

Kate está determinada em encontrar o marido ideal para Edwina, que anunciou a toda a alta sociedade londrina que não se casará sem a aprovação da irmã. No entanto, Kate já tomou uma decisão inabalável: todos os pretendentes serão considerados exceto o mulherengo e libertino visconde Bridgerton, do qual tem a pior das impressões.

Cedo deduzimos que Anthony e Kate estão destinados a ficar juntos, e parece-me que a intenção da autora nunca foi guardar este segredo do leitor.
Outros segredos (especialmente os que atormentam ambos os jovens desde a infância) vão sendo revelados ao longo da história, mas o que nos envolve mais uma vez é a atmosfera recriada por Julia Quinn, cuja escrita nos transporta com extrema facilidade para a Inglaterra do século XIX.
Página a página, volume a volume, os irmãos Bridgerton conquistam um lugar cada vez mais firme no nosso coração, ao ponto de haver momentos durante a leitura em que sentimos que eles fazem mesmo parte da nossa família. E de certa forma fazem, porque todos nós vamos adotando, aqui e ali, as personagens literárias que mais nos emocionaram e com as quais mais nos identificamos.

✰✰✰✰✰ (5 em 5)